Nova linhagem humana com mais de 7 mil anos foi descoberta na Indonésia

nova-linhagem-humana
5/5 - (18 votes)

O esqueleto de uma mulher, que indica ser uma nova linhagem humana foi descoberto numa caverna indonésia em 2015, e parece ter uma descendência diferente de qualquer humano até os dias de hoje.

Os seus restos mortais proporcionaram agora aos arqueólogos um raro vislumbre dos primeiros colonos que deixaram a Ásia e iniciaram a sua trajetória à Nova Guiné e Austrália.

Apelidado de “Bessé”, os restos mortais do humano tem aproximadamente 7.200 anos e pertencia a uma linhagem de caçadores-coletores como os Toaleans, que se crê estar ligada aos primeiros colonos da Indonésia.

A história por trás da nova linhagem humana descoberta

Até há 65.000 anos atrás, ao longo da última era glacial, os antepassados do povo de Toaleans podem ter chegado pelo oceano, vindo da Ásia.

Embora a cultura Toaleana pareça nunca ter ultrapassado a ilha indonésia de Celebes, parece que os seus entes queridos continuaram a avançar. Pelo menos é isso que o osso do ouvido interno desta mulher toaleana indica.

O seu antigo crânio forneceu agora o primeiro DNA humano encontrado em Wallacea, a antiga região da ilha que em tempos serviu de porta de entrada para a Nova Guiné e Austrália.

Local onde Bessé foi encontrado em Wallacea | Imagem: Carlhoff et al., Nature, 2021

“Estes caçadores-colectores marinhos foram os primeiros habitantes de Sahul, o supercontinente que surgiu ao longo do Pleistoceno (Era do Gelo), na época em que o nível do mar mundial caiu, revelando uma ponte terrestre entre a Austrália e a Nova Guiné”, diz o arqueólogo Adam Brumm da Universidade de Griffith, na Austrália.

“Para chegar ao Sahul, estes humanos pioneiros atravessaram o mar através de Wallacea, mas pouco se sabe sobre as suas viagens”.

Descubra também: Por que o céu é azul? Descubra de uma vez por todas!
Veja também algumas curiosidades sobre a Lua incríveis!

Hoje em dia, os arqueólogos discutem de onde vieram os Toaleans e quando chegaram a Wallacea. Os poucos instrumentos e ferramentas que restam da sua antiga cultura parecem estar confinados a uma parte bastante pequena da ilha indonésia, indicando que a cultura era bastante pequena e isolada.

O crânio de Bessé é uma dos poucos vestígios que nos restaram. Uma pesquisa genômica minuciosa revela que esta coletora Toaleana, de 17-18 anos de idade, tem uma composição genética diferente de qualquer outro humano primitivo estudado até à data.

Parece ser um elo ancestral, encalhada numa ilha entre 2 supercontinentes.

A relação de Bessé com os humanos modernos

Bessé partilha cerca de metade da sua composição genética com índios australianos modernos, assim como com habitantes da Nova Guiné e das ilhas do Pacífico Ocidental, o que indica que os seus antepassados continuaram transitando pelas ilhas após saírem de Celebes.

De forma curiosa, porém, Bessé não partilha qualquer ascendência aparente com os humanos modernos que habitam a ilha.

Os estudiosos acreditam que os agricultores neolíticos no que é hoje Taiwan começaram a substituir a pequena cultura de Celebes há cerca de 3.500 anos. No século V d.C., a sociedade tinha desaparecido, ficando em mera memória.

“A descoberta de Bessé e as repercussões da sua ascendência genética mostram o pouco que sabemos sobre a história humana primitiva em nosso país, e quanto resta ainda a descobrir”, disse Brumm.

Postagens patrocinadas UltraAnálises:
Tudo sobre Impordrop;
Tudo sobre Jacinto money;
Tudo sobre Chora ou vende lenços.

Por exemplo, a senhora Toaleana parece ter genes consideráveis de origem denisovana. Isto fornece fortes provas de que houve um cruzamento significativo entre os primeiros humanos modernos e os denisovanos no continente asiático, semelhante ao cruzamento dos neandertais com os humanos modernos no continente europeu.

Esta mistura de genes ocorreu antes da colonização de Celebes no continente ou em qualquer parte do Pacífico.

Outras ilhas visinhas de Celebes revelaram antigos caçadores-coletores sem descendência denisovana aparente, indicando que Celebes ou outra ilha de Wallacean pode ter sido um espaço decisivo onde os humanos arcaicos e modernos misturaram os seus genes.

“A presença aparente de uma população estabelecida de hominídeos primitivos no sudoeste de Celebes indica uma fonte possível para o evento de introgressão”, explicam os autores.

“2 estudos anteriores sugeriram que 2 linhagens profundamente divergentes de Denisovan se misturaram com os antepassados dos papuas, mas os nossos próprios dados genômicos não têm, atualmente, resolução suficiente para diferenciar um ou mais períodos de introgressão”.

As atuais conclusões sobre a nova linhagem humana

Pelo que temos a oportunidade de revelar neste momento, os antepassados da Papua-Nova Guiné não parecem ter porções tão altas de genes provenientes de Denisovan, tais como a mulher Toaleana. Isto indica que os genes de Denisovan se diluíram à medida que os humanos se distanciaram do continente asiático, e se releva como uma nova linhagem humana.

No entanto, isto é apenas um começo. Precisamos de mais provas genéticas antes de podermos começar a rastrear corretamente a crónica da migração humana no continente asiático-Pacífico. Bessé, afinal de contas, era apenas uma mulher.

Você já conhecia essa nova linhagem humana recém descoberta? Queremos saber tudo nos comentários! Aproveita para compartilhar a matéria com todos os seus amigos!

O estudo sobre esta descoberta foi publicado na Nature.

Fonte: Nature e ScienceAlert
Imagem destacada: Carlhoff et al., Nature, 2021